maio 20 2020 0Comment

AGRO PRECISA PADRONIZAR PRODUTOS PARA TER SUCESSO NO E-COMMERCE, DIZ XICO GRAZIANO

“Qualidade CATI”. Com esse nome, a Secretaria da Agricultura lançou, em 1997, um selo de qualidade para o morango paulista. A fruta apresentava, na época, 2 problemas graves no mercado: resíduos de pesticidas e falta de padronização nas embalagens.

Passados mais de 20 anos, o morango deixou a lista dos alimentos problemáticos quanto aos resíduos de produtos químicos. Segundo a Anvisa, de 2013 a 2015, das 157 amostras pesquisadas, apenas uma (0,6%) apresentava potencial risco agudo ao consumo humano. Pode comer moranguinho à vontade.

Quanto à padronização das frutas, porém, pouco se evoluiu. Basta conferir na maioria das caixinhas de morango existentes no mercado: a primeira camada tem frutas bonitas, sadias; a camada de baixo costuma tê-las pequenas e defeituosas. Estragadas, às vezes.

O consumidor precisa ser esperto, revirar a embalagem, olhar com atenção, para escolher uma mercadoria de boa qualidade. Se bobear, compra o moranguinho bonito, mas, quando chega em casa, descobre que foi logrado pelo vendedor.

Esse problema, que não se restringe ao morango, impede a expansão na agropecuária da mais recente mania de compras e vendas, turbinada nesses tempos de coronavírus: o e-commerce. “O sucesso do comércio eletrônico de produtos agropecuários depende da padronização dos produtos”, salienta Maurício Salvador, presidente da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico).

Parte inferior do formulário

As compras pela internet dominarão o comércio brasileiro rapidamente, e a agropecuária não poderá perder essa onda virtuosa dos negócios on-line. Eles garantem agilidade, favorecem a adimplência, permitem diferenciar produtos, construir canais próprios de distribuição, escapar da intermediação, aumentar margem de rentabilidade. É preciso, todavia, garantir qualidade. Significa assegurar que ninguém compre um produto e receba outro em casa. Gato por lebre.

Ao contrário dos bens industrializados, que são padronizados e uniformes, a diferenciação faz parte da natureza dos alimentos in natura. Nem toda fruta ou legume é perfeitamente igual. Por isso se estabelecem tipos e classificações. Vale para ovos, ou carnes, todos os alimentos.

O X da questão para o avanço do e-commerce na agricultura será a confiança do consumidor sobre a qualidade da mercadoria a ser adquirida. Quando ele compra uma televisão pelo site sabe exatamente qual modelo lhe chegará em casa. No caso de um tomate, ou uma maçã, como fica?

Infelizmente, nem nos Ceasas do país, administrados pelo poder público, cumprem-se as normas oficiais de padronização e classificação estabelecidas pela Instrução Normativa 69, de 6 novembro de 2018. Faz décadas que os técnicos lutam, mas não conseguem mudar certo desleixo existente na comercialização de hortifrutis. Falha que conta com a benevolência dos governos.

Chegou a hora do agro vencer esse desafio, que envolve embalagens adequadas, denominação de origem do produto, classificação correta, vários requisitos que estabelecem a conformidade do alimento comercializado in natura. Funcionando com boa padronização, evita-se aquela prática comum, verificada nas gôndolas ou prateleiras, de os consumidores apalparem, e apertarem, as frutas para checar sua qualidade.

Tenham certeza. Produtores rurais e suas empresas associadas que saírem na frente, garantindo padronização e qualidade, navegarão na maré positiva dos negócios digitais. É como diz o ditado na roça: boi que chega antes bebe água limpa.

admin

Write a Reply or Comment